Páginas

quarta-feira, 25 de março de 2015

VSCO Grid

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Papo sobre o depois e sugestões pr'agora




Eu realmente queria estrear aqui uma coluna nova... mas não dá. Ainda. A verdade é que essa segunda parte sobre literatura ainda me deixa com mais duas prontas na gaveta. A minha intenção é expandir minhas opiniões aos outros tantos gostos: cinema e TV, com a coluna H.D.T.V; música, com a coluna Trilha, Som, Hora; TOClists, deixando minha obsessão de fazer listinhas de toda sorte tomar forma; e, por fim, a Idiossincrasia, um espaço crônico-pessoal. Por enquanto, me rendo aos livros, antes tendo me rendido a falta de tempo. E a uma obsessão nova: House M.D.,  o tema do primeiro tópico na H.D.T.V. Culpa de uma das edições mais recentes da revista Mente & Cérebro, acabei absorvido nesse personagem emblemático dos seriados americanos.

So, let's cut the bull and get right to the point:

(\cima, detalhe da capa de E. O atirador de ideias, de Adilson Xavier, um dos destaques da coluna de hoje)


Além do Óbvio
Destaques de maio, parte II

E. O Atirador de Ideias (Best Seller)
Adilson Xavier

Macabéa encanta a todos com sua simplicidade, sua humanidade comedida, o peso de um mundo que não liga pra você se você não souber se ligar. A Hora da Estrela me fez chorar três vezes, sem saber se da beleza da obra em si ou de qualquer outra vírgula que Clarice tenha estabelecido em mim que brotavam as salinidades líquidas. Macabéa e sua hora estelar me arrepiam toda vez que ouso reler suas últimas páginas, por uma saudade que sempre estará comigo. Isso pra mim é um romance-personagem, pois eu amei o romance pois que amei Macabéa. Adilson Xavier me promete um mundo inteiro num só ser assim que me entrega seu personagem. Não, não é a ingenuidade rota, argilosa e sem molde que nós encontramos, mas são sinceridades simplesmente elas mesmas, cada uma à sua maneira. É por amor que se termina um livro desse.
Gênero: ficção brasileira, romance-personagem
Público alvo: esse título é pra quem sabe amar os personagens dos livros; leia o “primeiro capítulo” (o capítulo Vinte um e meio) e entenda. Se você resistir, esse livro simplesmente não é pra você...
Preço: R$ 29,90





Economia Bandida (Difel)
Loretta Napoleoni

A ideia de explicar os desenlaces menos óbvios, inesperados da economia, de forma irreverente e com leitura acessível a diversas camadas da sociedade foi explorada em títulos como Freakonomics e seu sucessor, Superfreakonomics. A ideia de pegar o lado mais feio da economia e lançar no ventilador com polidez e embasamento soa como o efeito borboleta na sociedade na qual, quem sabe, o seu prefeito teve a campanha patrocinada pelo tráfico de mulheres. Não que isso seja relatado no livro. Mas faz você entender como é bem possível, ainda mais vindo de uma autora especialista em tópicos como o financiamento do terrorismo.
Gênero: não-ficção, economia
Público alvo: interessados em economia e os meandros do lado negro desse campo
Preço: R$ 42,00

Lênin, Stálin e Hitler (Record)
A Era da Catástrofe Social
Robert Gellately

Ferida social, cicatriz grossa de muitas populações, a ditadura ensinou algo a partir dela própria, a duras penas: não há ditadura que seja 100% coerente a que veio (ou a que disse ou eneceteras), não há povo que passe incólume, nem ideologia. O autor procura esmiuçar épocas específicas da história humana, sendo tecelão dos anos, apresentando a trama construída continuamente, não podendo ser estudadas isoladamente. Entre outros pontos interessantíssimos do livro, está a alfinetada no bondoso Lênin, apresentando facetas não tão apresentadas deste líder comunista. Não que ele não o seja. Mas sem puxar peixe pra qualquer lado, leitor crítico se permite aos opostos.
Gênero: não-ficção, crítica histórica
Público alvo: leitores mais hardcore de história, de acadêmicos a leitores assíduos, mas não se encaixa em títulos como o resenhado O Amor de Luis XIV
Preço: R$ 82,90



Orgulho e Preconceito e Zumbis (Intrínseca)
Seth Grahame-Smith
Jane Austen

Quem curte uma boa mistura musical deve ser familiarizado com o termo mash-up, que nada mais é do que a mistura de duas ou mais músicas, tocando ao mesmo tempo criando algo novo. O que isso tem a ver com esse livro? Bem, parece óbvio, mas soa tão bizarro que é difícil acreditar. Esse é sim um mash-up literário, inserindo ao mundo criado por Jane Austen um tempero contemporâneo e inesperado: zumbis. O autor imprime sua marca (dando os devidos direitos a Srta. Austen, como vemos na capa do livro) com uma pitada de ação no meio dos dramas de nossa heroína. Não duvide se der filme. Não duvide se der jogo. Garanto que tá dando o que falar e já tem filhotes: Razão e Sensibilidade e Zumbis vem por aí...
Gênero: ficção inglesa, mash-up literário, romance histórico com zumbis comedores de cérebro
Público alvo: fãs de Resident... ops, leitores interessados numa experiência literária... diferente
Preço: R$ 29,90


quarta-feira, 26 de maio de 2010

Um papo sobre o papo

Há quem se recuse a entrar numa loja, seja de roupas ou mesmo uma livraria. Olha, eu confesso que eu mesmo não gosto de lidar com vendedores. Mas ah lá!, é minha profissão, for (some) god’s sake! Pára pra pensar: é chato ser importunado e ponto final ou o receio é de ser convencido a comprar exatamente aquilo que você sabe muito bem que nunca quis nem precisou? *risos*
Olha, eu estou muito seguro do que quero, mas há de se dar parabéns a alguns vendedores. Porque vender algo é temperá-lo com as melhores especiarias, fazendo até um alérgico à pimenta considerar o risco de um prato mexicano como algo interessante. Esse blog surge da minha experiência na área, somando uns bons 4 anos com certo esforço e praticamente 2 deles dentro de livrarias. Surge como uma brincadeira que se inventa séria (ou diria uma seriedade divertida), pois veja meu problema: eu gosto de ler, amo a imersão em outros mundos até estes serem meus próprios, amo a vida por trás das páginas, simplesmente. Não precisa estar no meio pra imaginar o quanto de livros quero ler fazendo um paralelo com o quanto consigo. Mas pra vender um livro devemos conhecê-lo. Então minha solução é absorver a essência de um título no cheiro. Prática? Com certeza. Mas tem um quê de arte, um apuro para as biografias dos autores, certos conhecimentos de causa e boas apostas. Mentira? Jamais. Não chame de blefe meu papo de vendedor.

Observação importante: nem só de livros vive(rá) este blog, mas esta coluna vem abarrotada, são 20 títulos no total! Vou parcelar e publicar aos poucos os destaques de maio.
Observação tantoquanto: são resenhas a meu modo. Faro de mercado, gosto pessoal, aposta. Isso aqui não é jornalismo. É parcial. Mas pelo menos eu aviso.
Observação nemtanto: sim, eu leio também!

(José Cardoso Pires, um dos destaques desta edição)


Além do Óbvio
Maio (Parte I)


Acerto Final (Record)
Sam Bourne

Há quem diga que Sam Bourne, o autor, é o "grande desafiante à coroa de Dan Brown" – o que atualmente não é tão difícil, depois do chato Símbolo Perdido. Fato é que este thriller não cai tão fundo na velha fórmula religião + sociedade secreta + historiador-simbologista pra dar certo, e isso o diferencia do resto.
O protagonista não é tão óbvio: é um advogado que já deixou de idealizar a justiça há bastante tempo.
O gatilho: o assassinato pela ONU de um homem taxado como suicida xiita... que se mostrou inocente.
O conflito: Tom Byrne é contratado pela ONU para impedir que a informação vaze, mas acaba descobrindo com a ajuda da filha do assassinado que ele não era tão inocente assim e pode guardar a chave do último mistério da Segunda Guerra Mundial.
Gênero: Ficção inglesa, suspense, thriller.
Público alvo: leitores de Dan Brown, Steve Berry, José Rodrigues dos Santos, fãs de suspense com pitadas de ação e bases históricas.
Curiosidade: Sam Bourne é pseudônimo do jornalista britânico Jonathan Freedland, que escreve uma coluna semanal para o The Guardian há bastante tempo. Já recebeu 4 premiações por seu trabalho.
Preço: R$ 59,90


Amor de Luis XIV, O (Record)
As Mulheres na Vida do Rei Sol
Antonia Fraser


Sexo, libertinagem, adultério. Parece novela barata, mas não, é história, mais precisamente do Rei Luís XIV e sua pomposa corte. Um livro para quem trabalha com História, mas também para quem curte uma leitura verídica mais acessível do que artigos acadêmicos. Um bom exemplo de título no estilo é A Condessa de Barral, da historiadora carioca Mary del Priori . O livro não foca só na libertinagem do Rei Sol, abordando basicamente a forte influência das mulheres em sua vida – e isso inclui a Senhora Sua Mãe...
Gênero: Biografia, história
Público alvo: adultos que gostem de ler História de uma forma mais acessível, ou pessoas do meio acadêmico, que tenham lido títulos como 1808, O Príncipe Maldito etc.
Preço: R$ 64,90


O Arquipélago da Insónia (Alfaguara)
António Lobo Antunes


Autor sempre muito bem comentado, António Lobo Antunes é um dos carros chefe da editora Alfaguara. Esse é um romance pra quem gosta de títulos densos, "pra pensar". Ele perpassa a história de uma família, três gerações, antes poderosa, agora desgostosa de sua própria decadência. A narrativa é bem original, misturando as diversas personagens da história, num emaranhado de vozes que tecem, por fim, o mundo do título.
Gênero: Ficção portuguesa, drama
Público alvo: adultos, leitores de Miguel Sousa Tavares (Equador, No teu deserto), Saramago, Vargas Llosa, entre outros.
Preço: R$ 44,90

Balada da Praia dos Cães (Bertrand Brasil)
José Cardoso Pires


Considero este título uma ótima pedida pra quem curte uma literatura baseada em fatos históricos mas que se proponha a dar ênfase à humanidade dos personagens diante de eventos maiores que eles. O caso desse livro é bem interessante: retrata a ditadura portuguesa focando no Major Dantas C., preso político foragido e líder de uma resistência à ditadura, se vê numa posição semelhante ao regime e sua censura às informações. A resistência não anda tão bem e ele aplica uma "segunda censura" para não desmotivar seus subordinados. Líder controverso, com um fim dramático, o livro impressiona pela violência de fatos, baseados na realidade portuguesa. Ganhou o maior prêmio da literatura de Portugal e não por pouca coisa: a obra é literariamente genial. O tempo da narrativa e suas personagens são multifacetadas, numa gama de vozes e visões que mesmerizam o leitor. É o real transmutado no ficcional com beleza e impacto.
Gênero: Ficção portuguesa, romance histórico
Público alvo: leitores de títulos densos, ficções baseadas em fatos históricos
Preço: R$ 43,00




Belas Maldições (Bertrand Brasil)
Neil Gaiman e Terry Pratchet


Sim, você já ouviu falar de Sandman. Pelo menos um nerd na sua vida proferiu esse nome, personagem-título de uma das mais cultuadas graphic novels de todos os tempos (muito bem premiada, por sinal). Discworld com certeza já foi dito por alguém perto de você, ou você leu sobre, mesmo sem prestar muita atenção. Nada mais é do que uma das maiores séries de livros de fantasia já escritas. Os nomes por trás de cada uma? Neil Gaiman (autor também de Stardust e Coraline, ambos títulos que originaram filmes!) e Terry Pratchett, criador de um incomum mundo fantástico. Agora junte essas duas cabeças em um título só e imagine o teor da obra. O resultado foi uma história muito bem escrita, divertida em suas diversas referências, prato cheio pra quem curte uma boa fantasia, mas já não consegue engolir Harry Potter.
A história segue mais ou menos assim: de acordo com Agnes Nutter, a única preditora do futuro considerada uma fonte confiável, o mundo vai acabar... mais precisamente no próximo sábado e um pouquinho antes do jantar). Com essa doçura de informação, entram os personagens Crowley e Aziraphale, representantes respectivamente do Inferno e do Céu, que mantem suas ocupações no meio-termo, a Terra. E olha, o problema é que eles gostam daqui. A partir daí, no meio de impasses menores (como os Quatro Motoqueiros do Apocalipse...), encontram seu maior (e mais vergonhoso impasse): um garoto de apenas 11 anos de idade, eco-consciente, que adora seu cachorro e é um ótimo filho... além de ser o Anticristo, chave do fim do mundo, e indestrutível.
É nessa frequência que funciona uma das parcerias mais interessantes qu'eu vi nos últimos anos.
Curiosidades: o título não é um lançamento! Na verdade estava esgotado há meses na editora
Gênero: Ficção americana, fantasia, aventura
Público alvo: leitores que gostem de fantasia com uma boa dose de irreverência, legião de fãs do Gaiman (Sandman), legião de fãs do Pratchett (Discworld)
Preço: R$ 59,00

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Pré-estreia Silenciosa

Silencio. No hay banda. Nem blogger, ou post.

A ideia tá pronta mas o concreto não foi mexido ainda.

Em breve, literatura, cinema, TOP 10's e etceteras.

Abraços,
Alex.

http://eternoamar.blogspot.com
http://twitter.com/poetacotidiano